Tudo o que eu não te disse!



...Eu descobri em mim desejos os quais nada nesta terra podem satisfazer, a única explicação lógica é que fui feita pra um outro mundo.


(C.S. Lewis)






Tem sido difícil organizar minhas ideias e colocar aqui, tanto sentimento junto que um atropela o outro. Sentimentos andando tão rápido dentro de mim que se chocam, colidem, destroem, espalham, misturam e eu nem sei mais distinguir totalmente.
É preciso aprender a ser completo sozinho pra conseguir ser feliz junto e embora eu já tenha me acostumado a ser sozinha, não consigo deixar de querer estar junto, junto de verdade.
Nos últimos dias uma saudade indevida tem me incomodado, uma falta me corta o peito e eu tento não pensar nisso de todas as formas. Fico esperando o inesperado bater a minha porta e finalmente ter esses desejos insaciáveis desfeitos.
Todos os esses relacionamentos complicados, toda desestrutura familiar, toda a minha fortaleza que me protege até de mim mesmo. Ando sempre armada e querendo sempre, absurdamente mais, mas são coisas tão simples que você se assusta quando digo. Já não contesto mais, sei o meu lugar e onde quero ir, você quer que eu brigue, fale alto, discuta, chore, mas eu me calo e vou embora, meu recuo é meu ataque e quando eu fujo é pra não voltar e se volto não sou mais eu.
Você me diz coisas sem sentido, me procura por motivos tão pequenos e eu to indo embora por motivos reais e fortes. Era como se você me cortasse a escuridão, eu podia abrir uma brecha, baixar as armas e me enganava sem sentir. Estive atenta pra não errar o tempo todo e errava, errava...
Não quero palavras, atitudes, esperas, explicações, sorrisos... quero seu silêncio frio, sua ausência cortante, melhor que sua presença que me dilacera, fere na alma, me faz ter espinhos. Cansei do meu olhar triste e pensamentos distantes. Não quero te entender, nem perdoar, quero que vá embora, pegue tudo o que é seu de lembranças, todas as palavras e manias que você me deixou como herança. Quero minha contra-mão de volta, meu caminho perdido, minha sorte estranha, minha própria companhia, quero a minha guerra fria, só o barulho dos meus passos, o vazio que ficou dos teus abraços, quero o pior e o melhor de mim. Quero me parecer mais comigo e nunca mais ver em mim você. Cansei de ser teu alvo, objeto frágil e fácil de aceitação. É a minha raiva agora, é toda a minha magoa que me fere tanto que poderia te atingir e é pra te atingir.
Prefiro o nada, o inexistente a coisas como você. É na minha queda que aprendo mais sobre mim, que me levando e sei pra onde quero ir e nada do que passou importa mais, é pagina arrancada, rasgada, queimada, não há quem prove que existiu.
Meu passado é parte do nada e pra mim faz tempo você deixou de existir, pensasse bem antes de toda aquela história, antes de ter ido embora e me deixado aqui, fica aqui tudo o que eu não te disse... mas deveria ter dito, antes do fim.




Kaká.

4 comentários:

Alan Brum disse...

Simplesmente só foi o melhor que você já escreveu, sem contar no título haha. Lindo mesmo. Parabéns!

Eu rabisco o sol que a chuva apagou... disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Cunhada, Adorei! Lindo texto!
Expressou o que às vezes eu sinto!

Priscila Corrêa

Rossana Belfort disse...

POuxa me diz oq se passa nesse coraçãozinho.... não, melhor não! simplesmente no profundo do ser, cada vírgula com seus sentimentos.. eu adoro teu jeito de escrever... invejoooo

te adoroooo loirinha!!!